Entenda o que é totalismo ideológico, culto ao gênero e a ciência sagrada

Entenda o que é totalismo ideológico, culto ao gênero e a ciência sagrada
Reprodução: Google

A palavra “totalismo” foi cunhada por Robert J. Lifton em seu livro seminal sobre técnicas coercivas intitulado “Reforma do Pensamento”.

Totalismo é um termo para as características de movimentos e organizações que visam o controle total sobre o comportamento humano e o pensamento. (Ao contrário da palavra “totalitarismo”, ela pode ser aplicada a grupos que não exercem o poder governamental.)

O totalismo ideológico acaba por fracassar, de modo que os grupos que o empregam evoluem para além dele ou desmoronam. Enquanto isso, no entanto, esses grupos seguem um padrão comum e causam danos psicológicos profundos a indivíduos e sociedades.

Lifton nos lembra que as tendências para o totalismo são uma questão de grau, e que o potencial de alinhamento emocional de tudo ou nada existe dentro de todos nós.

Qualquer ideologia, mesmo aquelas com objetivos saudáveis ​​e libertadores, pode ser levada por adeptos em uma direção totalista. E onde o totalismo é nutrido e floresce, uma religião, movimento político ou mesmo organização científica pode ser transformada/reduzida no que é, para todos os propósitos, um culto.

Por que as pessoas são atraídas para esses tipos de grupos?

O totalismo é um fenômeno generalizado. Um desejo de solidariedade, uma falta precoce de confiança, crises severas de identidade e/ou uma vida familiar precária podem levar a um desejo de um grupo/ideologia que parece responder a todas as questões e resolver todos os problemas.

Uma sensação inicial de confusão e insegurança pode causar uma carga emocional intolerável, especialmente em um adulto jovem.

Da mesma forma, o adolescente/jovem adulto, que está formando seu senso de identidade e direção emocional/moral/intelectual, pode ser especialmente atraído para as polaridades do tudo ou nada do totalismo.

Quase todo mundo experimenta essas coisas até certo ponto, e a ideologia totalista provavelmente atrai quase todo mundo em algum nível em algum momento de suas vidas!

A questão é quão intensa é a necessidade, e como falta a pessoa em outros recursos mais saudáveis ​​nos estados mais frágeis de desenvolvimento.

Portanto, vemos que as pessoas que são atraídas pela ideologia totalista não são fracas, estúpidas ou más, elas apenas experienciam uma condição emocional/social em determinada fase da vida, cada uma em diferentes graus de intensidade.

A lista a seguir inclui coisas com as quais muitos de nós já lidamos. No entanto, uma pessoa que tenta lidar com um alto nível de intensidade vários itens a seguir pode estar particularmente predisposta à conversão de cultos ideológicos.

01 – Pessoas que estão sob estresse extremo ou que possivelmente sofreu recentemente uma experiência traumática. Alternadamente: as ramificações e efeitos de traumas  passados estão começando a aparecer, e a pessoa está achando insuportável lidar com isso;

02 – Uma pessoa que sofre intensa tensão causada por uma discrepância entre “quem eu sou” e “quem eu quero ser”.

Não precisa nem ter uma ideia muito clara de quem se quer ser – pode ser um conceito nebuloso, apenas identificável como  “seguro”  ou  “não sei quem sou”  ou  “não sei o que faço aqui” ou “faço parte de um grupo demográfico vulnerável”.

03 – Da mesma forma, uma pessoa que está em um ponto de mudança, ou que deseja estar. O foco aqui não é  uma mudança positiva real,  mas o ponto de virada em si: dar algum passo, qualquer passo, em direção a reviravoltas e mudanças, porque a situação atual ou a autoimagem é insuportável;

04 –  Uma pessoa que se considera rejeitada e “por fora”, incompreendida e sozinha. Portanto, a transformação em um “radical” ou “buscador” enquadra a alienação de uma maneira mais positiva;

05 – Uma pessoa com problemas de assertividade, com tendências à dependência;

06 – Uma pessoa que é idealista e desiludida com o mundo/cultura, mas quer respostas simples para as complexas questões e problemas que isso lhe traz;

07 – Uma pessoa que não sabe como a mente/corpo pode afetar um ao outro;

08 – Uma pessoa com habilidades de pensamento crítico subdesenvolvidas, ou alguém que os ache muito dolorosos para usar no momento atual (especialmente em relação à lidar com traumas passados);

09 – Alguém com uma falta de consciência dos métodos fraudulentos, ou como grupos podem manipular pessoas. Isso leva a pessoa a acreditar que esse grupo está oferecendo uma nova maneira de pensar, que é o primeiro a ter a chave e as respostas;

10 – Alguém com uma necessidade não satisfeita de pertencimento, combinada com um fraco senso de identidade.

Então, vamos nos concentrar nas características específicas do culto ideológico totalista, com exemplos específicos da ideologia de gênero/trans.

Submissão, Compromisso e “Ciência Sagrada”

Como declarado na primeira parte, um grupo que pratica um totalismo ideológico extremo, ou “culto”, não precisa ter uma base religiosa ou mesmo um líder central. Um único grupo conspiratório não é necessário.

O sistema de pensamento totalista pode prosperar através de células ligadas e redes/sinais sociais em grupo facilmente identificáveis.

Lifton escreveu sobre o totalismo ideológico e a reforma do pensamento nos anos 60. O desenvolvimento subsequente da Internet certamente dá ao totalismo dessas “células ligadas” e “redes sociais” mais uma chance de se espalhar e prosperar.

Submissão e Compromisso

Um sistema totalista sem liderança centralizada ainda terá “estrelas” e pessoas que são recompensadas por defender e demonstrar a doutrina sem questionar.

Ainda mais recompensas em grupo são dadas para aqueles que estão totalmente integrados dentro do sistema totalista.

Algumas das recompensas sociais mais óbvias são louvor, popularidade, responsabilidades/papéis adicionais e importância crescente da pessoa dentro do grupo.

Essas estrelas/heróis/modelos servem à função de “líder” em células menores, e ajudam a facilitar que os membros se entreguem psicologicamente à orientação e cuidado de outras pessoas.

Para subir nas fileiras sociais da ideologia totalista, deve haver uma confiança completa, zelosa e praticamente inquestionável na doutrina. E o status-quo geralmente permanece intacto, mesmo em um grupo que afirma estar derrubando-o radicalmente.

Nós vemos isso no meio trans como as mulheres (“dfabs”) são difamadas, a identidade das lésbicas é apagada e cooptada, a cultura do estupro é nutrida, como lésbicas são encorajadas a ter uma “mente aberta” sobre o contato sexual com machos (transwomen), e como isso domina a conversa.

Uma das formas mais efetivas de se mostrar como um “verdadeiro crente” é encorajar e exigir a punição pública e o afastamento de qualquer um que questione a doutrina.

Exemplos disso, bem como comentários adicionais sobre essa submissão necessária, serão explorados em profundidade em outra ocasião. Mas primeiro, entenda um pouco sobre o que a doutrina de um grupo totalista tende a parecer, e porque é diferente de outras organizações radicais.

“Ciência sagrada” 

Um grupo totalista, ou culto, operará sob uma ideologia que é considerada verdadeira para todas as pessoas em todos os momentos. Essa doutrina, ou dogma, na verdade, é considerada a visão moral última para o ordenamento da existência humana.

Parece ser ao mesmo tempo inspirada e científica. O psiquiatra Robert Lifton chama isso de “ciência sagrada”.

Se o culto é religioso ou usa termos como “sagrado” é irrelevante. O dogma é mostrado para ser sagrado de outras maneiras, tais como a proibição de questionar os princípios básicos.

Um culto não precisa de um líder central ou de um Deus central, porque as idéias podem ser um tipo de Deus.

Na mistura de idéias transcendentes (a essência da feminilidade, gênero é um sentimento, meu gênero é inato, etc.) e alegações exageradas de lógica e precisão científica, torna-se não apenas uma visão moral, mas uma ciência suprema.

Portanto, qualquer um que atrapalhe esse sistema científico e moral perfeito é uma ameaça e deve ser silenciado. Qualquer um que questione, ou mesmo abrigue ideias alternativas, torna-se imoral e não-científico.

Uma ideologia pode não declarar abertamente isso, mas mostrará a prática totalista.

Essa “ciência sagrada” apela para o membro individual porque oferece uma visão de mundo totalmente fechada, e isso parece seguro.

Na unificação do pensamento e da experiência mística e lógica, não há espaço para argumentos sistemáticos e científicos, bem como declarações arrebatadoras feitas em um nível pessoal.

Ao misturar “verdade científica” e experiência mística/pessoal, há a oportunidade de transcender ambos e entrar em um intenso sentimento de ter finalmente encontrado a chave, a verdade, a correção.

O problema é que esse sentimento é totalmente insustentável a longo prazo. Os seres humanos procuram lidar com o conhecimento, eles procuram experiência e auto-expressão e desenvolvimento criativo.

O sistema de ideologia totalista do culto proíbe isso, então abrigar ou ser confrontado com idéias que contradizem ou ignorem a ciência sagrada pode trazer uma grande dose de angústia, medo e culpa.

Como praticamente não há escapatória das exigências totalistas da ideologia, o assunto é proibido de se engajar em uma busca verdadeiramente receptiva pela verdade.

Silenciando a voz Interior através do “Controle de Meio”

“Controle do meio” refere-se ao controle das comunicações – tanto com os outros quanto com nossa própria “voz interior”.

Como a autonomia individual é uma ameaça à estrutura do grupo totalista, o controle do meio deve ser mantido através da pressão psicológica contínua.

Esse é um dos meios mais importantes de controle sob a ideologia totalista e se desenvolve de maneira bastante insidiosa e completa nestes grupos.

Uma maneira pela qual os cultos totalistas ditam como os membros devem pensar é através da linguagem que eles podem utilizar.

A cultura em geral lida com todas essas questões, mas grupos totalistas buscam controlá-los ao extremo para poder quebrar a possibilidade do pensamento crítico de um membro em abordar esses tipos de decisões por conta própria.

Esse processo impede a pessoa de buscar o que é saudável, bom, relevante, útil e verdadeiro consigo mesmo e dentro de si. Tudo no mundo, dentro e fora do membro do culto, agora reflete uma de duas coisas: Realidade (a ideologia do culto predominante) e Falsidades (todo o restante).

Nós vemos evidência disso no descarrilamento incrivelmente frustrante até mesmo das conversas mais inócuas: de repente, tudo é uma questão de pronomes, cissexismo percebido e assim por diante.

Quando até mesmo os grupos políticos mais radicais que lutam contra a misoginia e o racismo chamam a atenção para suas questões particulares na conversa, eles fazem exigências insistindo em uma visão expansiva e interseccional que pode até mesmo priorizar suas necessidades, mas fará isso em um sentido integrador: o mundo, então suas vozes devem ser ouvidas, enquanto outras vozes são silenciadas.

Um exemplo perfeito disso são as múltiplas instâncias em que “transmulheres” interrompem uma conversa sobre a mutilação genital feminina para centralizá-la em torno de sua percepção da palavra “feminina” como sendo “cissexista”.

Em qualquer caso, a fim de perpetuar o controle do meio, os cultos padronizados criarão uma sequência cada vez mais intensa de eventos de vinculação – retiros, seminários, rituais e assim por diante.

Por fim, os cultos de gênero são um refúgio para jovens que não se conformam e são rejeitados pela cultura em geral, por seus amigos e familiares e por qualquer outro sistema de apoio disponível.

Estas são pessoas sem as ferramentas adequadas ou apoio para lidar com o assédio, auto-ódio, homofobia e trauma de estupro e abuso sexual. O culto de gênero não só oferece um loop de feedback (como abordado nas seções anteriores), mas também oferece uma transformação física completa.

Especialmente no caso de mulheres sobreviventes de estupro e abuso sexual que procuram desidentificar-se com a feminilidade e a inevitável misoginia que a acompanha, a transformação física e social total (ou uma tentativa, de qualquer forma) tem um apelo intenso e uma (falsa) promessa de cura em vários níveis.

Quando alguém é submetido a um nível intenso de controle do meio em qualquer culto, pode levar à formação de um segundo eu: uma segunda voz interna, que existe ao lado do antigo eu.

Pelo “eu antigo”, não quero dizer apenas o eu ferido, o eu assustado ou o eu confuso, mas o núcleo ainda mais profundo da identidade: o eu que buscou a cura em primeiro lugar. Quando o controle do meio é elevado, o original pode ser reafirmado, e pode ser curado.