O egoísmo agrava a pandemia e revela desprezo para com o próximo

O egoismo está agravando a pandemia do novo coronavírus e prejudicando os relacionamentos individuais em um momento difícil para o mundo inteiro
Reprodução: Google

Enquanto o mundo continua lidando com a pandemia do novo coronavírus, milhões de pessoas estão tomando medidas para ajudar seus vizinhos e comunidades.

Os prestadores de cuidados de saúde e os socorristas vêm à mente mais rapidamente, mas muitas outras pessoas estão doando seu tempo e dinheiro para ajudar pessoas afetadas pela pandemia, e centenas de milhões de outras pessoas mudaram suas vidas para limitar a propagação do vírus, mesmo que isto seja inconveniente para elas. A pandemia trouxe o melhor para muitas e muitas pessoas.

Mas também vimos muitos exemplos de pessoas que não apenas parecem não estar contribuindo para o bem comum, mas, de fato, estão fazendo coisas que estão ajudando diretamente o vírus a infectar – e talvez matar – seus concidadãos.

Vemos pessoas que se recusam a usar máscaras (e que até se tornam violentas quando solicitadas), pessoas que não fazem nenhum esforço para manter uma distância segura de outras pessoas, excluir da sua lista diária atividades coletivas e outras não recomendadas durante a quarentena.

Se esse tipo de precaução exigisse muito tempo, esforço ou dinheiro, poderíamos entender o motivo das pessoas resistirem a elas. Mas essas ações envolvem um tipo de esforço e inconveniência mínimos, com um potencial bastante grande para limitar a infecção, a morte e as consequências econômicas da doença.

Imagine como seria o curso do surto se ninguém, em qualquer lugar, tivesse usado máscaras, praticado o distanciamento social e evitado reuniões em grandes grupos? O resultado é inimaginável.

Então, por qual motivo as pessoas se recusam a fazer sua parte para impedir a disseminação do COVID-19?

Os seres humanos – na verdade todos os animais – são programados para cuidar primeiro das suas próprias necessidades e desejos. No entanto, não podemos funcionar na sociedade se todos sempre fizerem o que quiserem, sem levar em consideração as outras pessoas.

A vida civilizada exige que as pessoas considerem os interesses e o bem-estar de outras pessoas ao lado dos seus. É um ato de equilíbrio constante e, na maioria das vezes, as pessoas fazem um trabalho razoavelmente bom em perseguir seus próprios objetivos de maneira a não incomodar, prejudicar ou privar desnecessariamente os outros. É uma pedra angular da sociedade humana.

Mas não tomar as precauções mínimas para limitar a disseminação do COVID-19 – ou pior, resistir deliberadamente desses esforços – reflete um grande nível de auto-preocupação egóica, egoísmo e falta de preocupação com outras pessoas.

Às pessoas que se recusam a se comportar de maneira fácil e de baixo custo, a fim de minimizar o número de pessoas que podem ser infectadas, não estão dispostas a ajudar em um esforço coletivo para reduzir o sofrimento, acabar com a pandemia e devolver a sociedade a algum senso de normalidade. Com: Dr. Mark R. Leary / Psychology Today